Realização:

  • Instagram
  • Facebook
  • YouTube
  • LinkedIn

Uruguai proíbe alimentos ricos em gordura, açúcares e sal nas cantinas escolares

Medida passa a valer em 2024 e endurece regra.





Crédito: Organización Panamericana de la Salud


O Ministério da Saúde do Uruguai proibiu a comercialização de alimentos e bebidas com alto teor de açúcares, gorduras e sal em todas as escolas e estabelecimentos educacionais do país. A medida passa a valer a partir de 2024, vedando a venda de qualquer produto com os chamados octógonos.


No modelo de rotulagem criado pelo vizinho Chile e adotado por vários países latinoamericanos incluindo o Uruguai, os octógonos indicam a presença em grandes quantidades de açúcares, gorduras e sódio a partir da sinalização frontal nos rótulos.


A medida atualiza a Lei de Alimentação Saudável, criada em 2013 no governo do então presidente José Mujica e que determinou uma série de mudanças para promover hábitos alimentares mais saudáveis nas escolas. Quatro a cada 10 crianças uruguaias sofrem com obesidade ou sobrepeso.


No Brasil, as regras no país vizinho ficaram mais conhecidas pela restrição aos saleiros e sachês para adicionar sal às refeições depois de prontas, mas a legislação trata de um amplo escopo de ações voltadas à prevenção de doenças crônicas não transmissíveis causadas por hábitos alimentares ruins.


Até então, o Uruguai vedava a publicidade e regulamentava a exposição desses alimentos e bebidas no ambiente escolar, mas a oferta não era expressamente proibida.


A oferta de alimentos e bebidas em cantinas e refeitórios escolares é baseada em uma lista de opções saudáveis elaborada pelo Ministério da Saúde. Com a mudança, o governo uruguaio torna a regra mais rigorosa, com a proibição expressa da presença de qualquer produto que contenha octógonos em seus rótulos - medida que atinge a quase totalidade dos ultraprocessados.


O Uruguai é mais um país que se inspirou no Guia Alimentar Para a População Brasileira e adotou a classificação NOVA em suas políticas públicas de Alimentação e Nutrição. Criada por pesquisadores brasileiros, a classificação NOVA é considerada revolucionária ao dividir os alimentos pelo nível de processamento.


A nova regra passa a valer a partir de 1º de janeiro de 2023 e as cantinas e refeitórios terão um ano para se adaptar. Sociedades médicas e associações voltadas à promoção da saúde apoiaram publicamente a medida, que vem sendo criticada pela indústria de alimentos e bebidas com o argumento da “liberdade responsável”. No entanto, crescem as evidências científicas que indicam a influência do ambiente nos hábitos alimentares.


Fonte: Alianza ENT Uruguay


4 visualizações
  • Instagram
  • Facebook
  • YouTube
  • LinkedIn

Rua Humaitá, 275 - 7° andar
Humaitá, Rio de Janeiro – RJ
CEP: 22261-005
desiderata@desiderata.org.br

(51) 99371-8689 | (21) 99137-8233